Beatificação

Só Deus é santo

Só tu és Santo, só tu és Senhor ”, canta a Glória. Antes de evocar a reconhecida santidade de certas pessoas, em primeiro lugar a Virgem Maria, a Santíssima, devemos ter sempre presente esta afirmação fundamental da nossa fé: só Deus é Santo. Além disso, é por respeito à santidade de Deus que o povo de Israel nunca pronunciou seu nome.

 

A palavra "sagrado" originalmente evoca a ideia de separação. Mas o Deus da Bíblia quer comunicar a sua santidade: ele não é apenas santo, ele é também a fonte de toda a santidade. Ao criar a humanidade por puro amor, Deus ofereceu-lhe a sua santidade, convidou-a à comunhão com ele. A contemplação deste mistério insondável surpreende São Paulo: “Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo! Ele tem nos abençoado e derramado sobre nós as bênçãos do Espírito no céu em Cristo. Ele nos escolheu, em Cristo, antes da fundação do mundo, para que sejamos santos, imaculados diante dele, no amor ”(Efésios 1: 3-4).

Este chamado à comunhão com Deus é dirigido a todos, sem exceção, por caminhos que só Deus conhece. Infelizmente, toda a história da humanidade está presente para atestar que este dom incomensurável não foi bem recebido. Porém, Deus não nos abandona ao poder do pecado e da morte. Por amor a toda a humanidade, ele nos dá seu Filho, Jesus, por meio do qual a salvação nos é oferecida. “Ele amou a Igreja, entregou-se por ela, para a santificar, purificando-a com o banho na água baptismal, acompanhado de uma palavra; ele queria apresentá-la a si mesmo, esta Igreja, resplandecente, sem mancha, ou ruga, ou qualquer coisa do tipo; ele a queria santa e imaculada ”(Ef 5: 25-27).

Santidade e batismo

Como podemos receber e acolher adequadamente a santidade de Deus? Para aqueles a quem foi anunciado o Evangelho e que tiveram a oportunidade de pedir este sacramento, Deus comunica a sua santidade através do sacramento do baptismo. O Concílio Vaticano II recorda, com toda a razão, que “os discípulos de Cristo se tornaram verdadeiramente, pelo baptismo da fé, filhos de Deus, participantes da natureza divina e, consequentemente, verdadeiros santos. Esta santificação que receberam, devem, portanto, com a graça de Deus, preservá-la e completá-la com a vida ”(Lumen Gentium 40).

Tal é, pois, a vida autenticamente cristã: uma vida que procura preservar e completar a santificação recebida no dia do baptismo. Para isso, temos exemplo e apoio. Um exemplo, o de Jesus, modelo de santidade com quem aprendemos a amar de verdade e de verdade: «amai-vos como Eu vos amei» (Jo 15,12).

 

Mas sabemos que um exemplo excessivamente edificante corre o risco de se tornar avassalador, inimitável. Por isso, Deus quis que além do modelo, nos beneficiássemos do seu apoio, da ajuda infalível da sua graça para caminhar, dia após dia, no seguimento de Jesus: “aquele que está em mim e em quem Eu fico, este dá muito fruto, porque sem mim nada podeis fazer ”(João 15: 5).

Como você se torna um santo?

No sentido mais amplo, mas também o mais exato, deste termo, pode-se dizer que se torna santo por uma vida de comunhão cada vez mais profunda com Deus Pai, Filho e Espírito Santo, de quem se recebe a caridade que é “a alma da santidade à qual todos são chamados” (Catecismo da Igreja Católica 826).

Na grande maioria dos casos, essa santidade permanece oculta, conhecida apenas por Deus e, possivelmente, pelos parentes. A pessoa em questão, em qualquer caso, o ignora completamente; do contrário, significaria que ela teria sucumbido ao orgulho e à presunção.

 

Durante sua vida terrena, a pessoa santa brilha por meio de sua humildade. Ela está convencida de que o pecado marca a sua vida, como São João tão claramente reconhece: “se dissermos que não temos pecado, nós mesmos nos extraviamos, e a verdade não está em nós. Se reconhecemos os nossos pecados, aquele que é fiel e só chega a perdoar os nossos pecados ”(1 João 1, 8-9). No máximo, essa pessoa admitirá: “o que sou, sou pela graça de Deus” (1 Coríntios 15:10). A cada ano, a solenidade do Dia de Todos os Santos nos lembra da existência desses tantos santos.

 

Alguns desses santos são canonizados. Eles não são necessariamente os maiores aos olhos de Deus. É bem possível que no Céu os santos não canonizados precedam os santos canonizados. Então, qual é o significado das canonizações? Podemos dizer que é duplo: por um lado, é o reconhecimento solene de que essas pessoas praticavam heroicamente as virtudes e viviam na fidelidade à graça de Deus, por outro lado, que elas são para nós modelos de comportamento e intercessores.

Investigações e declaração do caráter heróico das virtudes

Visto que a comunhão com Deus se realiza pela graça invisível, a Igreja deve contentar-se com os sinais para se aproximar do mistério da santidade de uma pessoa. Esses sinais pertencem a registros muito diversos (virtudes heróicas, martírio, fama de santidade, milagres ...) que devem ser estudados não só graças aos testemunhos recolhidos, mas também com a ajuda de especialistas em questões teológicas, históricas, médicas. … Para isso, está sendo realizada uma longa investigação.

Qual é o objetivo? Esta investigação quer ajudar o Papa a alcançar a certeza moral sobre as virtudes heróicas de uma pessoa falecida, sobre seu possível martírio ou sobre um milagre obtido por sua intercessão. Desta forma, ele pode emitir uma sentença final sobre a santidade dessa pessoa; isso é chamado de canonização.

Como está indo essa investigação? Ao longo dos séculos, os procedimentos evoluíram muito. Atualmente, procedemos em duas etapas: primeiro, um inquérito diocesano, depois um inquérito romano (ver site do Vaticano ). O inquérito diocesano é um processo canônico, instruído pelo bispo competente, que visa recolher provas a favor e contra a canonização de uma pessoa. Uma vez que esta investigação é concluída, todos os documentos coletados (geralmente milhares de páginas) são enviados a Roma.

 

A Congregação para as Causas dos Santos começa examinando cuidadosamente o arquivo enviado. Em particular, verifica se as várias normas relativas aos inquéritos diocesanos foram observadas. Se for esse o caso, o caso é então confiado a um dos relatores da Congregação. Este, com a ajuda de uma pessoa de fora da Congregação (em geral, alguém que participou do inquérito diocesano e, portanto, conhece bem o arquivo) prepara a positio que é uma espécie de resumo (entre 500 e 1000 páginas aproximadamente) dos pontos mais importantes do dossiê.

 

A positio é primeiramente submetida a consultores historiadores para que se expressem sobre seu valor científico. Em seguida, é submetido (com os votos escritos dos consultores historiadores e os eventuais esclarecimentos do relator) aos consultores teólogos para que estudem as controvertidas questões teológicas conforme necessário e se expressem sobre o mérito da causa. Os votos dos consultores teólogos, assim como as suas conclusões, são finalmente confiados ao julgamento dos cardeais e bispos membros da Congregação (cerca de trinta).

 

A sua opinião é levada ao conhecimento do Papa, o único que tem o direito, após ter recolhido todas estas opiniões, rezado e refletido, de declarar que uma pessoa é santa.

 

Para os milagres, realiza-se um levantamento diocesano específico e depois romano, que tem a particularidade de envolver médicos consultores cujas conclusões e votos serão submetidos aos teólogos consultores, cardeais e bispos e, finalmente, ao próprio Papa.

Beatificação ou canonização

Às vezes nos perguntamos sobre a diferença entre beatificação e canonização. Para que uma pessoa seja beatificada, o Papa deve reconhecer o caráter heróico de suas virtudes (ele é então qualificado como venerável), bem como um milagre obtido por sua intercessão após sua morte. No caso particular do martírio, o milagre não é necessário para a beatificação. O culto público desta pessoa beatificada é, no entanto, limitado a uma área geográfica ou a uma família espiritual. Se um novo milagre for obtido por sua intercessão, depois de sua beatificação, o Papa pode então pronunciar um decreto final pelo qual o beato é elevado à honra dos altares de toda a Igreja e reconhecido como santo.

A causa de Pauline Jaricot

Existem dois tipos de causas para a canonização: causas recentes para as quais as virtudes (ou martírio) podem ser comprovadas por depoimentos orais de testemunhas oculares e causas antigas em que a única prova é a prova escrita. A causa de Pauline Jaricot (1799-1862) pertence a esta segunda categoria.

No momento em que este caso foi apresentado, o procedimento previa um julgamento ordinário (em outras palavras diocesano), onde os primeiros testemunhos sobre sua vida foram recebidos (veja sua vida ) e seus escritos foram estudados (veja a bibliografia ), que terminaria em Roma com a aprovação papal que permitiu a abertura do processo apostólico (em outras palavras, Romano).

 

Os arquivos romanos atestam que a causa de Pauline Jaricot, fundadora das Obras para a Propagação da Fé e do Rosário Vivo, começou em Lyon e depois entrou na fase romana, quando foi introduzida perante a Congregação dos Ritos (hoje (substituída pela Congregação para as Causas dos Santos e pela Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos) foi aprovada por Pio XI na quarta-feira, 18 de junho de 1930.

 

A partir da terça-feira, 19 de fevereiro de 1963, os mesmos arquivos mencionam uma reunião geral da Congregação dos Ritos, no Palácio Apostólico, com cardeais, prelados e consultores teólogos, na presença de João XXIII.

 

Nesse dia, três casos são estudados: um milagre atribuído a Jean Népomucène Neumann (beatificado em 1963 e canonizado em 1977), um milagre atribuído a Elizabeth Ann Bayley Seton (beatificada em 1963 e canonizada em 1975), dois santos americanos e as virtudes de Pauline Jaricot. Por unanimidade, os cardeais, prelados e consultores votam a favor da heroicidade das virtudes de Paulina Jaricot, que será confirmada por João XXIII na segunda-feira, 25 de fevereiro de 1963.

Conscientes da fecundidade de suas obras (veja a página Obras ), mais do que nunca devemos pedir ao Senhor um milagre (veja a página Testemunhos ), neste caso uma cura física por intercessão de Paulino, porque todos nós temos mal posso esperar para vê-la beatificada e depois canonizada!

Se inscrever

Fique por dentro das últimas notícias e anúncios

© 2010 - 2020 Les Amis de Pauline Jaricot - Todos os direitos reservados