Pauline Jaricot e as "Filhas de Maria"

"O pensamento de glorificar ao Senhor se ofereceu mais fortemente a mim, disse a mim mesmo: se eu fosse de outro sexo, teria ingressado na Companhia de Jesus para trabalhar lá pela salvação de meus irmãos"

Em 1831, Pauline Jaricot se recuperou de uma doença grave, durante a qual pôde se dedicar à oração e à contemplação.

 

“Duas disposições opostas atraíram minha alma de duas maneiras diferentes. Por um lado, uma sede ardente da glória de Deus e da salvação das almas impelia-me a dedicar-me às obras exteriores ... por outro, gostaria de ter passado todas as minhas horas diante do Santíssimo Sacramento ”

 

“Um dia, quando nesta alternativa de desejos entre oração e ação, o pensamento de glorificar ao Senhor se ofereceu mais fortemente a mim, através de uma voz interior cujo sotaque não consegui definir, fui respondido: se você não pode entrar na Companhia de Jesus, você não pode formar a Companhia de Maria? "

Respeitando seu voto de obediência, Pauline foi a Avignon para submeter esse desejo e essa escolha de vida ao seu diretor espiritual e depois fazer um retiro.

 

"Durante oito dias, esqueci tudo e me abandonei nas mãos do meu Bom Mestre"

 

Pauline, por sua vez, fundará uma congregação religiosa, visto que muitos nasceram naquela época?

 

Não bastaria reunir algumas de suas companheiras que manteriam a condição de simples fiéis, servas dos pobres, filhas da Igreja de Jesus Cristo, pelo tempo que quisessem, sem constituí-las em Congregação? Encontramos o espírito intuitivo, inovador e criativo de Pauline.

 

NAZARETH HOUSE.

De volta a Lyon, mudou-se para Nazareth, uma pequena casa localizada ao lado da capela Fourvière, alugada por seu irmão Philéas como local de descanso das Irmãs Hospitaleiras do Hôtel-Dieu, então comprada por sua irmã Sophie Perrin. .

 

“Apelei a seis Irmãs Hospitaleiras ainda instaladas em Nazaré, a algumas associadas do Rosário Vivo e a algumas piedosas e fiéis amigas operárias de São Policarpo”.

 

“Foi este pequeno rebanho, composto por cerca de vinte pessoas, que me trouxe para começar e chamei-as de“ Filhas de Maria ”.

 

“Devíamos começar com uma vida de oração, fé, obediência e Amor ao Senhor… e lançar-nos, sem reservas, nas mãos de Jesus e de Maria… Colocamo-nos sob o manto de nossa Boa Mãe… Marie teve seu lugar marcado no refeitório; sempre foi servido primeiro, e sua parte foi para os pobres ... Todos os dias, visitamos os pobres e distribuímos as porções devidas à Virgem. "

 

«Digna-te a aceitar, meu bom mestre, que a minha pequena família espiritual nada mais faz do que te amar e se dedicar na solidão a ajudar todas as obras, todos os sofrimentos da alma e do corpo»

 

“O meu desejo é formar almas suficientemente humildes e generosas para se dedicarem a todo o bem, aproveitando dia a dia, hora a hora, todas as oportunidades de se dedicar, de servir, de salvar, de ajudar , sem fazer nenhuma exceção ”

 

Chegada e vida na casa de LORETTE

A casa de Nazaré não poderia ser suficiente para a sociedade de Maria, para as inúmeras visitas que a fundadora da Propagação da Fé recebeu, para a expansão do Rosário Vivo. A pequena família instalou-se então em um casarão próximo, na colina de Fourvière, aos pés da Capela da Virgem, que Pauline batizou de LORETTE, em memória de um dos lugares de peregrinação a Maria, o mais famoso da época. Tempo.

 

Em 15 de agosto de 1833, festa da Assunção, as Irmãs desceram em procissão de Nazaré a Loreto, que passou a ser o

“Convento das Filhas de Maria” e Casa Central do Rosário Vivo.

 

O Padre Rousselon foi nomeado capelão de Lorette e o Padre Bettemps responsável pelo Rosário Vivo.

 

"Em primeiro lugar, iniciei-os na oração: a oração é um motor poderoso que faz sentir a sua força de um extremo ao outro do mundo"

 

“As Irmãs se dedicam, como as Associadas do Rosário Vivo, à oração pela conversão dos pecadores, pela manutenção da Fé na França, pela glória da Igreja, pela Propagação da Fé no mundo. Os associados recitam cerca de dez rosários por dia, fazem uma hora de adoração por ano, uma estação da cruz por ano; as Filhas de Maria fazem um Rosário por dia, uma hora de Adoração por dia, uma Via-Sacra por dia ”.

 

“A base do nosso regulamento era o sacrifício de toda devoção, de todo interesse pessoal e para nos mostrar sempre os humildes e devotados Servos de todos os servos de Deus ...”

 

“Para amar uma alma como devo amar todas elas; e amá-los a todos como se fossem uma pessoa ”

 

“Quando você estiver cheio do Amor de Jesus Cristo, você será capaz de ir ao encontro dos outros, de suas ocupações, de seus compromissos”

 

Este programa austero não estava ao alcance de todos. Os Hospitalários, em particular, aspiravam a recuperar o cuidado dos enfermos; Pauline deu-lhes um certo número de inválidos para tratar, quer em Nazaré, quer com a ajuda do pároco. Outros foram visitar famílias pobres, prestar serviço à paróquia, cuidar do Rosário.

 

“Procurei acima de tudo treiná-los no hábito da oração, mais pela prática do que por explicações e prefiro obrigá-los a orar do que dar-lhes regras ... Eu acreditava, diante de Deus, que era importante praticar ao invés de instruir ... "

 

“Meu desejo era acostumar minhas queridas filhas a amar Jesus e Maria como as crianças amam seus pais e mães. "

 

«Recomendo-vos entre todas as virtudes, a simplicidade das crianças, a simplicidade de espírito, a simplicidade de coração para com Deus, a simplicidade para com o próximo, a simplicidade de agir, a simplicidade de espírito de humildade, para parecer sempre inferior. aos pobres a quem temos a missão de servir ”.

 

“A vocação de Lorette é antes de tudo o Espírito de infância e a única regra: a humildade. "

 

Antes de Santa Teresinha de Lisieux, Paulina ensinará o caminho da infância.

 

Em Lorette, há um vaivém constante entre a recepção dos visitantes que procuram conselhos, os missionários que passam, os enfermos, os pobres que conhecem o caminho para Loreto para encontrar uma refeição e conforto, as necessidades de a paróquia, a manutenção da casa e as diversas atividades do Rosário Vivo.

 

A vida era feliz e bela para a Glória de Deus e a Salvação de todos.

 

Com sua sede avassaladora de fazer tudo pela Glória de Deus, seu olhar atento a tudo o que está acontecendo ao seu redor, Pauline pode então se dar ao luxo de seguir outro projeto que assombra sua mente.

 

“Senti que se preparava na alma o plano de uma obra que não defini bem, mas da qual as próprias necessidades da época eram o germe; tratava-se antes de mais nada de devolver ao trabalhador a dignidade de homem, marido, pai ... ”

 

Paulina embarcará em uma aventura que a levará muitas vezes para fora de Lorette e das Filhas de Maria, a monopolizará até sua morte, terminará em fracasso e será seu sofrimento e sua Cruz.

 

Seu "pequeno rebanho" foi forçado a se separar, algumas Filhas se juntaram a outras comunidades. Apenas três deles continuaram a animação do Rosário Vivo em Loreto e cuidaram de todos os pobres ou enfermos que batiam à porta, até a morte da Mãe.

 

Após a morte de Pauline, foram obrigados a deixar Lorette para se instalarem em um pequeno apartamento na rue Tramassac, continuando suas ações e sua dedicação pelos pobres, e pelo Rosário Vivo, “fiel à sua Mãe”, até 'no fim da vida, levando consigo o coração de Pauline, doado pelo médico legista. O coração de Pauline está atualmente guardado em São Policarpe.

 

Nossa missão de batizado hoje: Oração e Ação seguindo o exemplo de Paulina e das Filhas de Maria.

 

As Filhas de Maria seguiram Pauline neste dom total do Amor, amor que vigia, escuta cada ser humano para o conduzir no caminho de Deus, permanecendo leigas.

Não é esta a vocação de todos os baptizados, leigos ou consagrados?

Não é este o apelo de cada um ao apostolado que lhe é exclusivo?

Não é esta a missão da Igreja para a salvação de todos os homens?

 

Leiga, sempre preocupada em não sair do seu estado, Paulina dá às Filhas de Maria a condição de simples fiéis. É assim que ela desenvolve uma espiritualidade adaptada aos leigos.

 

Não podemos ver, seguindo a Vida e o Espírito das Filhas de Maria, segundo as normas propostas em Loreto, a intuição de Paulina, como anúncio do Concílio Vaticano II sobre o Apostolado dos Leigos?

 

Hoje, o Papa Francisco nos diz:

 

“Para ser autênticos Evangelizadores, é necessário desenvolver o gosto espiritual de estar perto da vida das pessoas, até descobrir que é uma fonte de alegria superior. A missão é uma paixão por Jesus mas, ao mesmo tempo, é uma paixão pelo seu povo… Evangelizadores que rezam e que trabalham ”.

 

«Cada cristão e cada comunidade são chamados a ser instrumentos de Deus para a libertação e promoção dos pobres»

A alegria do Evangelho: exortação apostólica. 268/187 - Papa Francisco, novembro de 2013.

Se inscrever

Fique por dentro das últimas notícias e anúncios

© 2010 - 2020 Les Amis de Pauline Jaricot - Todos os direitos reservados